A torcida que não sabe perder

Trofeu-Copa-do-Nordeste

Por Alex Amaral (@alexamaral87)

Ontem, um grande rival nosso se sagrou campeão da Copa do Nordeste pela primeira vez. Após vencer o campeonato da terceira divisão nacional (2013), o título nordestino deles se configura como a maior glória alcançada na história daquele clube. A torcida deles se junta agora à de clubes como Ceará, Campinense e América-RN com um título da competição que era prioridade dos grandes times nordestinos, como Bahia, Sport e Vitória.

A campanha deles na fase final, na humilde opinião desse que escreve, foi impecável. Vencendo Bahia e Ceará fora de casa, eles se qualificaram para decidir o título contra o Campinense. Na final, seguiram a cartilha do mata-mata, venceram em casa e empataram fora. Título, festa da torcida, cobertura da imprensa local, tudo dentro da normalidade.

Mas algo me chamou a atenção desde ontem, quando fui acompanhar o jogo pela TV e pelas redes sociais. Percebi uma preocupação intensa da torcida do Sport com esse título dos adversários. Eu entendo que o Sport não pode se contentar com pouco numa competição regional e o objetivo nunca pode ser menor do que estar na final e ser campeão. Porém, o coro dos insatisfeitos pelo fato do rival ter sido campeão me pareceu ainda maior do que o barulho que se fez quando fomos eliminados.

O que mais se via nas timelines era a torcida rubro-negra reclamando da diretoria por conta dos erros de planejamento, dos contratos equivocados, do pseudo-técnico que deixava o auxiliar comandar o time em seu lugar, dentre outras chorumelas. E a última novidade é um tal balanço financeiro no vermelho. Sim, todas as reclamações são válidas, mas associá-las à vitória de ouro time é de uma infantilidade tremenda.

Isso só demonstra que o novo perfil do torcedor, aquele que se limita a acompanhar o time pelas mídias sociais, não passa de um peso pro clube. Nossa torcida precisa entender que, ao contrário do que o Facebook nos mostra, a vida não é um amontoado de lembranças felizes e de selfies sorridentes que rendem milhares de curtidas. A vida (assim como o futebol) se faz também dos momentos de derrota e isso subentende a vitória alheia. No futebol, aprendi desde cedo que a zuêra oscila de lado a cada segunda-feira e que essa é a grande graça do esporte.

Por isso, vamos nos dar o respeito, né? Vamos encontrar nosso colega de trabalho hoje e dizer:

“Parabéns pelo título, cara! Te vejo na quarta.”

Alex Amaral mora no Rio e é colunista do site Canelada F.C.

O texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Leões do Cerrado.

rodape1

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *