O Campeão Brasileiro de 1987 enfrenta o Flamengo pelo Brasileirão

wallpaper_tacas_640x480

Por Alessandro Matias

Não existe qualquer dúvida quanto ao título do Campeonato Brasileiro de 1987: é do Sport. Qualquer fato, notícia ou argumento, que coloque o Flamengo como campeão, não segue uma premissa basilar: a verdade! O Leão seguiu o que estava acordado e assinado por todos os clubes para a disputa do Brasileirão de 1987 e sagrou-se vencedor. O que ninguém fala, e é um detalhe do clima que vivia a sociedade brasileira nos anos 80, é que o país ainda vivia sob os desmandos da recém saída de um regime militar e, a todo custo, os dirigentes dos clubes daquele ano (engraçado que eles continuam mandando no futebol até hoje) desejavam mudar o regulamento. Engraçado, também, era que esses “não queriam” o regime militar e atuavam como se fossem. Aliás, até hoje.

Coube ao Sport e Guarani de Campinas (atual vice-campeão brasileiro em 1986) disputarem em campo e fazerem o que Flamengo e Internacional não fizeram. Hoje, o clube que detém a maior torcida do Brasil tenta ser, ao lado do Sport, um dos campeões de 1987.

Uma coisa é certa: ninguém retira o título do legítimo Campeão Brasileiro de 1987 (fora e dentro dos gramados): Sport Club do Recife.

O jogo

Sport e Flamengo entram em campo em tom de rivalidade por todos os lados. O rubro-negro pernambucano ainda passa por uma desconfiança da sua torcida, apesar da atual liderança do Campeonato Brasileiro. Hoje, o time comandado por Eduardo Baptista tem tudo para alcançar um resultado positivo. Basta fazer o básico que revelou como um dos principais nomes do atual cenário brasileiro. Do lado do Sport, Matheus Ferraz entra no lugar de Ewerton Páscoa na zaga e Samuel Xavier estreia na lateral direita.

No Flamengo, sai o atacante Cirino, que foi vetado pelo departamento médico com um edema na coxa esquerda, e entra o ex-Sport Alecsandro.

Flamengo: Paulo Victor, Pará, Bressan, Wallace e Anderson Pico; Jonas, Canteros e Almir; Gabriel, Alecsandro (Marcelo Cirino) e Everton. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Sport: Magrão; Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Durval e Renê; Rithely, Rodrigo Mancha (Wendel), e Régis (Élber); Diego Souza, Samuel e Joelinton. Técnico: Eduardo Baptista.

Árbitragem de Dewson Fernando Freitas da Silva (PA) com o auxílio de Alessandro Rocha de Matos (BA) e Marcio Gleidson Correia Dias (PA).

Alessandro Matias é editor do site Eu Pratico Sport e blogueiro do Globoesporte.com

O texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Leões do Cerrado.

rodape

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *